HIPNOSE ERICKSONIANA  


DR. Milton Erickson

Milton Erickson, (Milton H. Erickson, M.D. - 1901-1980) (foto ao lado) é considerado o maior hipnotizador de todos os tempos e tinha a fama de conseguir induzir o transe hipnótico a qualquer pessoa. Realmente, todos os que o viram trabalhar, puderam observar a veracidade disto. Ele tinha muitas técnicas que adaptava a cada paciente. Não haviam para ele técnicas padronizadas que servissem para todos os casos. Erickson quando tinha 17 anos, contraiu paralisia infantil, sendo obrigado a permanecer quase toda sua vida em uma cadeira de rodas. Apesar disto, usando sua voz e poucos gestos, conseguia levar as pessoas ao transe hipnótico.
Terminou seus estudos em psiquiatria e psicologia em 1929. Logo concluiu que os métodos então usados para tratar os pacientes, eram muito lentos e, no seu entender, pouco eficientes. Ainda não havia o arsenal de medicamentos hoje usados em psiquiatria e ele Interessou-se logo pela hipnose começando a desenvolver seus próprios métodos e técnicas. Ele deixou poucos escritos e se preocupava com as pessoas que tentavam banalizar suas abordagens terapêuticas, temendo que assim pudessem ser deturpadas e mal aplicadas.

AS TÉCNICAS

Na hipnose tradicional, observa-se que existem pessoas hipnotizáveis e outras que não conseguem entrar em transe, por mais que o hipnotizador se esforce. Isto se dá porque as pessoas não gostam de se sentir controladas. Geralmente, elas preferem sentir que não estão sendo forçadas a nada ou que tem várias opções a escolher.

Muitos psicólogos e psiquiatras, estudaram os métodos de Erickson a fim de tentar descobrir um padrão que pudesse lançar alguma luz as suas curas aparentemente milagrosas. Quando se perguntava a ele sobre sua técnica terapêutica, ele geralmente respondia que não sabia explicar. Apenas se preocupava em observar o cliente e segui-lo, fazendo-o que não se desviasse do caminho.

Foi a partir da observação de seu trabalho, que pôde-se descobrir muita coisa de seu modo de fazer terapia. A partir dessa observação, John Grinder e Richard Bandler (1), Gregory Bateson, William H. O’Hanlon, Ernest Rossi e outros, desenvolveram a Programação Neuro Lingüística que é considerada uma entre as diversas tentativas de sistematização dos métodos de Erickson.

Na abordagem hipnótica Ericksoniana, procura-se não introduzir qualquer conteúdo na indução, de modo que o próprio sujeito tenha a liberdade de escolher o tipo de experiência que quer ter. Desse modo, o hipnólogo, não corre o risco de introduzir sugestões que possam atrapalhar o aprofundamento do transe e elimina qualquer possibilidade de resistência, já que o paciente não se obriga a aceitar as sugestões. Na hipnose tradicional, geralmente é sugerido muito conteúdo que as vezes pode se chocar com as opiniões e fobias do sujeito. Como exemplo, com um cliente que tenha fobia por água, quando você sugere que ele está mergulhando em um lago, ele pode entrar em fobia e sair do transe.

 

De acordo com Erickson os pacientes já tem em seu inconsciente todos os recursos necessários para resolver seus problemas e o terapeuta tem apenas que fazer com que eles entrem em contato com estes recursos. Erickson também procurava não entrar em choque com as crenças e opiniões do paciente. Ao contrário, usava qualquer coisa trazida pelo cliente para induzi-lo ao transe. Preocupava-se também em deixar opções ao paciente, para que ele não se sentisse forçado a nada, o que é a maior causa de resistência. Por isto, usava palavras de permissão como, você pode e talvez. Ao invés de se dizer: você está vendo um lago, usa-se você pode estar vendo algum lugar muito relaxante. Desse modo, o sujeito não se sente pressionado a adaptar sua experiência à sugestão de um lago mas pode estar se vendo em um ambiente que para ele em especial é muito relaxante.

A hipnose Ericksoniana, exige do hipnólogo um grande treino na observação das chamadas Pistas não verbais, como pequenos movimentos dos olhos, posturas corporais, expressões faciais, etc. Ele pode assim, adaptar sua linguagem, seus gestos e expressões, ao modo particular do cliente, preferindo sempre usar palavras do canal sensorial preferencial dele (Visual, Auditivo ou Somático) e até imitar seus gestos e posturas de modo sutil para que não seja interpretado como uma grosseria. A isto se denomina Acompanhamento e Espelhamento. Pode-se também acompanhar o ritmo respiratório do cliente, falando quando ele inspira e intervalando a fala quando ele expira.

O hipnólogo permanece o tempo todo sintonizado no cliente, acompanhando suas reações, validando qualquer experiência que esteja percebendo, e reforçando tudo que observa. Dá apenas sugestões que tenha a certeza de que não entrarão em choque com a vivência do sujeito. Assim, só se fala em aprofundar o transe, quando é possível perceber sinais não verbais de que ele está entrando nele.

As principais estratégias usadas por ele estão no quadro abaixo, baseadas no livro de William H. O’Hanlon Hipnose centrada na solução de problemas. (2)

 

ELEMENTOS DA INDUÇÃO

  1. Permissão/validação/observação/utilização.

    Qualquer reação, comportamento e experiência são validados pelo terapeuta. Isto consiste em aceitar o cliente como se apresenta e usar seus próprios sintomas, crenças e até sua resistência à hipnose para faze-lo entrar em transe.

    Permissão significa dar opções ao paciente, usando as palavras pode e talvez, ao invés de Previsão: acontecerá Observação e incorporação das reações - Dizendo simplesmente o que observa e utilizando para sugerir que isto tudo pode leva-lo ao transe.

     

  2. Evocação ao invés de Sugestão.

    Fazer comparações entre hipnose e outros estados que o paciente já experimentou antes ou lembra-lo de recursos que o terapeuta sabe que ele tem.

  3. Pressuposições/implicações/dicas contextuais.

    Pressuposições verbais: Ilusão de alternativas como você pode ser hipnotizado de olhos abertos ou fechados, dando a ilusão de que o cliente pode escolher mas na verdade pressupõe-se que ele será hipnotizado

    Dicas contextuais – São palavras colocadas no texto da conversa que sugerem o transe, como: conforto, relaxado, etc.

  4. Sincronização.

    Não verbal – Ritmo, posturas, qualidade da voz, ritmo respiratório, observação do comportamento, são respostas de espelho. Começa-se a indução copiando ou "espelhando" o cliente em todos seus gestos, posturas, ritmo respiratório, etc. e depois, aos poucos vamos modificando nosso comportamento e observando se o paciente nos acompanha. Quando isto começa a acontecer, é um sinal de que ele esta entrando em transe.

  5. Descrição.

    Para ganhar credibilidade, descrevemos a cena que vemos, mas tomando o cuidado de não tentar adivinhar a experiência do cliente. Assim, só afirmamos o que temos certeza. Por exemplo, podemos descrever: Enquanto você permanece aí sentado nesta cadeira, com a perna direita cruzada sobre a esquerda, ouvindo minha voz, com os olhos fechados e respirando tranqüilamente, você sente o peso de seu corpo sobre a cadeira, você coça o queixo ...

  6. Palavras de permissão e de transferência de poder.

    Em continuação a descrição explicada acima, podemos incluir alguma coisa que não estamos observando mas que tem grande possibilidade de estar acontecendo. Para não correr riscos, devemos ser vagos, evitando colocar conteúdo no que falamos, abusando das alternativas. Podemos falar por exemplo em continuação ao que falamos acima: e você parece estar se sentindo muito confortável, não está? Esta é uma ótima palavra porque cada pessoa tem o seu conceito de conforto e pode imaginar o que quiser. A palavra parece, nos livra da possibilidade do cliente achar que estamos invadindo a experiência dele e a negação no final, deixa-o livre para sentir-se ou não "confortável".

  7. Divisão.

    Consciente/inconsciente; aqui/lá; presente/futuro; dentro/fora. Pode ser também não verbal, utilizando-se de gestos com as mão ou com a cabeça enquanto falamos. Quando estamos sugerindo ao paciente que ele tem um lado consciente e outro inconsciente, podemos virar a cabeça para a esquerda ao falar consciente e para a direita quando falar inconsciente. Ao fazer isto, toda vez que tombarmos a cabeça para um lado, o paciente saberá com qual de suas partes estamos falando. Isto se chama ancoragem. Este gesto de cabeça era um modo muito utilizado por Erickson que economizava muito seus gestos, talvez até devido à sua deficiência física mas tornou-se um procedimento de ancoragem visual muito difundido entre seus discípulos.

  8. Ligação.

    Artifício de linguagem que liga duas coisas que não estavam ligadas. Quando ligamos duas frases que necessariamente não tem relação de causa e efeito isto soa verdadeiro. Pode-se também fazer várias afirmações verdadeiras e no final, liga-las a outra coisa que não tem relação com o que foi dito e mesmo assim, o cliente aceita como verdade.

    Na ligação verbal, podemos falar: Você está sentado nesta cadeira e pode entrar em transe. É claro que o fato de estar sentado na cadeira não tem ligação com entrar em transe mas, colocado no contesto da indução, soa como verdade. Pode-se falar também: "Quanto mais seu consciente se distrair com os sons desta sala, tanto mais facilmente você entrará em transe..."

  9. Intercalar.

    Esta é uma técnica poderosa porque fala diretamente ao inconsciente e pode-se induzir um transe até sem que a pessoa perceba. Consiste de elaborar uma conversa informal e intercalar sugestões na frase, dando ênfase as palavras que interessam com mudanças na entonação, ritmo, volume etc. de nossa voz. No interior de uma mensagem maior existe outra mensagem, um subtexto.

    Como exemplo, vou transcrever uma frase de William O’Hanlon:

     

    "Lembra-se daquele tempo quando nem tudo estava "pesando em suas costas e você podia relaxar? Ou se sentir mais confortável? Mas, tenho certeza de que, no passado você já tentou aliviar o "peso das suas costas" com o relaxamento. Você já se sentiu relaxado e confortável."

    Costas, relaxar, confortável, costas, relaxamento, relaxado e confortável. Esta é a mensagem embutida no texto que entrará direto no inconsciente, fazendo com que o paciente relaxe suas costas.

    ÂNCORAS

    Por último, vamos falar sobre o termo "ANCORAGEM": Uma âncora, é qualquer estímulo que percebemos com nossos sentidos e que nos faz recordar com todos os detalhes de algo do passado. A ancoragem é natural no ser humano. Como exemplo, quando ao ouvir uma determinada música que em nossas lembranças, foi ouvida em uma ocasião marcante do passado, parece que retornamos ao fato e revivemos todas as emoções e sensações daquele momento. Os casais costumam ter a "nossa música" que ao ser ouvida, os fás lembrar da juventude, quando estavam muito apaixonados.

    As âncoras podem referir-se a uma imagem, sendo chamada de imaginativa ou a qualquer canal sensorial: visual, auditivo, somático, tátil e olfativo. Assim, temos âncoras verbais e não verbais. As vezes, um perfume pode remeter-nos direto a um fato do passado.

    O terapeuta pode se utilizar desse conhecimento e criar âncoras no paciente com a finalidade de ter acesso a um recurso útil para ajuda-lo em seus problemas. A Terapia da Regressão, utiliza-se muito das âncoras para acessar o inconsciente e recuperar fatos da memória. Quando perguntamos ao paciente sobre seu sentimento, onde ele sente este sentimento em seu corpo e pedimos para ele ampliar estas sensações, estamos usando âncoras.

    A âncora é conhecida pelos hipnólogos tradicionais como signo sinal. Pode ser usada pelo paciente para ajuda-lo a ter acesso a um recurso interno, no momento em que ele precisar.

    EXEMPLO DE UMA INDUÇÃO ERICKSONIANA

    Neste exemplo, a indução é feita de uma maneira semelhante á uma conversa informal, utilizando os conceitos acima, partindo de pressuposições ("não sei se você alguma vez foi hipnotizado antes") o que pressupõe que o sujeito será hipnotizado, divisão (inconsciente e consciente), evocações ("você esteve em estados hipnóticos antes e não sabia"), intercalações (intercalando palavras como "relaxamento, confortável") permissão, (com as palavras você pode, e/ou, enquanto) e utilização de palavras que se referem aos canais sensoriais visual, auditivo e somático. Se possível, sabendo-se qual o canal sensorial preferido do sujeito, pode-se iniciar por este canal e depois passar para os outros que não são muito usados por ele. Esta simples manobra, já pode provocar um estado alterado de consciência. É alterado justamente por não ser o usual do cliente:

     

    "- Muito bem. Não sei se você alguma vez foi hipnotizado antes mas, devo lhe dizer que a hipnose, é algo muito natural para o ser humano. É provável que você já tenha estado em estados hipnóticos antes e não saiba que aquilo era hipnose, como por exemplo, quando você assiste a um filme de que gosta, lê um livro interessante ou presta atenção a uma aula. São estados de atenção focalizados em que seu lado consciente fica envolvido em algo enquanto seu inconsciente cuida de todas as outras funções do seu corpo. Assim, você tem um lado consciente, focado no que você está prestando atenção de momento a momento e um lado inconsciente, que cuida das outras funções de seu corpo muito bem, como a respiração e os batimentos cardíacos. Ele pode se encarregar de fazer seu coração funcionar no ritmo certo, manter sua pressão arterial, e cuidar de sua saúde. Você sabe que pode confiar em seu inconsciente para cuidar de você.

    Muita gente tem dúvidas sobre o que é hipnose. Posso lhe informar que a hipnose, sendo um estado habitual do homem, não necessita de nada em especial . Você pode escolher ficar em qualquer posição, deitado, sentado e até em pé. De olhos abertos ou fechados. Isto não vai influir em seu relaxamento. Pode ficar com os olhos fixos em algum ponto ou deixa-los livres. Até os ruídos próximos ou distantes, podem estar lhe ajudando a se sentir mais confortável e curioso para saber quando você vai entrar em transe. A maioria das pessoas tem mais facilidade para entrar em transe de olhos fechados. Se você preferir, agora pode fechar os seus olhos. Agora que você está com eles fechados, é possível que esteja vendo alguma coisa através de suas pálpebras, como cores que vão se transformando em outras cores, imagens de suas memórias que vão passando ou talvez, não esteja vendo nada. Eu não sei, mas você sabe. E seu inconsciente também sabe. Não precisa se fixar em nada disto para atingir seu transe. E enquanto você está aí de olhos fechados, sentindo sua respiração, ouvindo os diversos sons da sala e outros mais distantes, sentindo seu peso fazendo seu corpo afundar na cadeira , pode também estar percebendo a diferença entre a temperatura que você sente nas partes de seu corpo que estão cobertas e as partes descobertas e tudo isto pode estar lhe deixando mais e mais relaxado. Eu posso perceber agora como você já está entrando em transe. Vá mais fundo. Vá até onde você se sentir seguro para ir. Até onde for mais confortável, etc."

     

    Neste ponto, geralmente o sujeito já está em um transe leve, podendo então aceitar sugestões para aprofundar o transe. Se isto ainda não aconteceu, continuamos a indução. Temos que ter paciência e ir dando pequenos passos. É preferível do que arriscar-se a dar uma sugestão que se choque com a experiência do paciente e assim tira-lo do transe.

    Passa-se a seguir a fazer as sugestões para resolução da queixa específica do cliente, ou dar sugestões para voltar no tempo e espaço até a origem de seus problemas e iniciar a Terapia Regressiva (TR).

    Com a hipnose Ericksoniana, pode-se atingir qualquer grau de aprofundamento que se consegue com a hipnose tradicional além dos fenômenos do transe: anestesia, alucinações positivas ou negativas, distorção do tempo, levitação de mão, catalepsia, sugestões pós hipnóticas, etc.

     

    Bibliografia:

    1. GRINDER, J. e Bandler, R. "Atravessando – passagens em psicoterapia". Apresentação de Lívio Túlio Pincherle. São Paulo: Summus Editorial, 1984.

    2. O’HANLON, William H, e MARTIN, M. "Hipnose centrada na solução de problemas". Campinas: Editorial Psy II, 1995.

    3. O’HANLON, William H. "RAÍZES PROFUNDAS – Fundamentos da terapia e da hipnose de Milton Erickson". Campinas: Editorial Psy II,1994.

pelo Dr. Edison Flávio Martins.

Site Pessoal Clique Aqui

Você pode verificar este artigo sobre o uso da Hipnose por médicos, no Jornal do Conselho Federal de Medicina.